O MILÊNIO ESCATOLÓGICO

O MILÊNIO ESCATOLÓGICO
A época da ressurreição:
. A ressurreição de Jesus (Mt 28:1-10) (Mc 16:1-14) (Lc 24:1-39) (Jô 20:1-17)
. A ressurreição dos santos do Antigo Testamento (Mt 27:52,53)
. A ressurreição dos santos da igreja no arrebatamento (Jô 14:3) (I Ts 4:16) (I Co 15:52)
. A ressurreição das duas testemunhas da Apocalipse 11:12, durante o período da tribulação
. A ressurreição dos santos de Israel e dos santos da tribulação que dão testemunho de Cristo e não adoram a besta (Ap 20:4-6) (Dn 12:1,2)
. A ressurreição dos injustos
Esta ocorrerá depois do reinado milenar de Cristo. Eles serão ressuscitados para serem julgados diante do grande trono branco (Ap 20:5, 11-14)
A palavra do milênio não é encontrada na Bíblia. Todavia, o período do reinado de mil anos de Cristo sobre a terra é mencionado seis vezes no capítulo 20 de Apocalipse. “Milênio” deriva de palavras latinas que significam simplesmente “mil anos”. O milênio será um período durante o qual Satanás ficará pres no abismo: “Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos” (Ap 20:2). A prisão de Satanás prepara a terra para o reinado milenar de Cristo, que virá para a terra, como descrito em Apocalipse 19:15,16, no papel de Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Os santos ressuscitados da igreja, juntamente como santos da tribulação, reinarão com Cristo em seu reino milenar: “…e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos” (Ap 20:4); “…pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele os mil anos” (Ap 20:6) (Ap 19:7-10,14)

SUA RELAÇÃO COM ISRAEL

Entre a família de nações milenar, a nação de Israel ocupará o lugar central:
“ Quando o Altíssimo distribuía as heranças ás nações, quando separava os filhos dos homens uns dos outros, fixou os termos dos povos,segundo o número dos filhos de Israel. Porque a porção do Senhor é o seu povo; Jacó é a parte da sua herança. Achou-o…rodeou-o e cuidou dele, guardou-o como a menina dos seus olhos” (Dt 32:8-10)
O anjo revelou a Maria que Jesus estava destinado, como o Messias prometido, a reinar sobre o trono de Davi:
“Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor , lhe dará o trono de Davi, seu pai; ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim” (Lc 1:32,33).
É verdade que a igreja recebeu as bênçãos espirituais dadas primeiramente a Israel (Ef 1:18; 3:6) (I Pe 2:9,10); mas esse fato não muda o propósito de Deus para a nação de Israel (Is 61:1-62:4; 66:7-24) (Rm 11:13-28). Parece claro que os israelitas serão os ministros e missionários para todas as nações durante o milênio, guiando os habitantes gentios para o serviço e a adoração do Senhor (Is 61:4-11). Embora Israel tenha preeminência entre as nações durante o reinado milenar de Cristo, a igreja em seu estado glorificado julgarás as tribos de Israel (Mt 19:28) (Lc 22:29-30).

SUA RELAÇÃO COM AS NAÇÕES

Na vinda de Cristo para reinar, haverá um juízo das nações gentias, citadas por Mateus como as nações das “ovelhas” e dos “cabritos” (Mt 25:31-36). As nações das ovelhas são julgadas aptas para a bênção do reino com base no seu tratamento dos “irmãos” (Israel) do Senhor. Isso fica claro em Apocalipse 20:7,8,Isaías 2:1-5, 11:5-10, 60:1-5 e Zacarias 14:16-21 que haverá gentios na terra milenar. Na visão de Daniel foi revelado que o Cristo teria domínio sobre um reino que abrangeria todas as nações:
“ Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do homem, e dirigiu-se ao Ancião de dias, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o reino jamais será destruído” (Dn 7:13,14).

SUA RELAÇÃO COM A IGREJA

A Igreja terá com o reino milenar uma relação diferente daquela da nação restaurada de Israel ou dos povos gentios.
Estes últimos serão povos terrenos e, embora venham a viver sob as condições ideais de uma terra liberta da maldição, terão corpos mortais e desempenharam as tarefas terrenas normais.
Haverá paz, justiça e santidade universais como resultado do governo soberano de Cristo, mas não haverá absoluta perfeição nos habitantes da terra (Cf. Is 11:4; 65:20; Zc 14:17-19).
Por outro lado, a igreja e todos os santos que participarem da primeira ressurreição governarão e reinarão com Cristo (Ap 2:26,27; 3:21; 5;9,10; 20:6).
Eles não ficarão confinados á terra, pois terão corpos glorificados e lhes será concedido acesso aos céus e á terra (Ap 19:6-14; Mt 22:30, 31; Lc 20:35,36). Jesus disse aos discípulos: “Na casa de meu pai há muitas moradas…”; a seguir acrescentou: “…Pois vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo…” (Jô 14:2,3).
Paulo falou da sua esperança de um lugar melhor do que está terra: “… tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor” (Fp 1:23). Quando o apóstolo disse: “… para mim o morrer é lucro”, ele indicava “lucro” sobre o melhor da vida, e não o pior; pois acabará de declarar: “… o viver é Cristo…” (Fp 1:21).

Desde agora o crente está sentado juntamente com Cristo nos lugares celestiais (EF 2:6); portanto, em nosso estado ressurreto, sempre ocuparemos lugares celestiais, mesmo enquanto estivermos reinado sobre a terra com Cristo (Mt 25:21; Lc 19:17-19).

Três coisas sugerem que os santos a igreja serão preparados tanto o ambiente celestial como o terreno:
1. os santos ressurretos serão como os anjos (Lc 20:35-38), anjos muitas vezes ministraram aos homens na terra;
2. depois de sua ressurreição, Jesus apareceu a seus seguidores na terra durante quarenta dias;
3. muitos santos levantaram-se dos sepulcros e apareceram a inúmeras pessoas (Mt 27:52,53).

VIDA E CONDIÇÃO NA TERRA MILENAR

. O reinado milenar de Cristo será caracterizado por justiça e retidão universais (Jr 23:5,6; Is 11:3-5; 52:1,16; Sl 72:1-8)
. Toda a terra ficará sob a disciplina justa do rei Jesus, e todos os desobedientes serão disciplinados (Zc 14:16-21)
. Haverá paz entre as nações durante o reino milenar de Cristo (Sl 72; Is 2:4; 9:5,6; 32:1,17,18; Mq 5:4,5)
. No reino de Cristo, povo da nação de Israel gozará saúde e longevidade (Is 35:5,6; 65:20-22)
. Na terra milenar existirá grande prosperidade material (Sl 72:15,16; Am 9:13-15; Zc 3:10; 8:12)
. Sob o reinado de Cristo, a terra ficará livre da maldição (Rm 8:19-22; Is 55:13; 41:18,19)
Ao ser removida a maldição, os animais selvagens perderão a sua ferocidade (Is 11:6-9; 65:25; Ez 34:25,28; Os 2:18).

OS JUÍZOS

Todos os homens terão de apresentar-se diante do tribunal de Deus, a fim de que a as justiça seja feita: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, juízo “ (Hb 9:27). O salmista declarou: “Justiça e direito são o fundamento do teu trono…” (Sl 89:14).
A santidade e a justiça de Deus exigem que todo pecado seja punido e todos os justos sejam defendidos: “Longe de ti o fazeres tal coisa, matares o justo com o ímpio, como se o justo fosse igual ao ímpio; longe de ti. Não fará justiça o juiz de toda a terra?” (Gn 18:25).
A consciência humana dá testemunho do fato de que todo bem e mal são conhecidos de Deus e constam do seu registro indelével: “Estes mostram a norma da lei gravada nos seus corações, testemunhando-lhes também a consciência, e os seus pensamentos mutuamente acusando-se ou defendendo-se; no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho” (Rm 2:15,16).
Todos os homens pecaram (Rm3:10-23); portanto, todos merecem a condenação. A melhor descrição das exigências de santidade e justiça de Deus encontra-se na cruz. Deus é também um Deus de amor.
Mas, a fim de que a sua misericórdia possa ser concedida aos pecadores, os pecados deles têm de ser colocados sobre o seu Filho redentor, sendo julgados e punidos na cruz. O Salvador infinito levou sobre si a culpa dos pecadores, para que os crentes identificados com Jesus pudessem ficar livres da condenação (Rm 8:1).
Alguns alimentam a idéia errônea de que haverá um dia de juízo geral em que todos os seres, justos ou ímpios, serão julgados. A Bíblia fala de vários juízos.
A Bíblia de Scofield (Oxford University Press, 1967), na nota de rodapé para Apocalipse 20:12, cita sete juízos separados. Na seção seguinte esses juízos serão tratados sob cinco categorias:
.o juízo dos crentes; .o juízo das nações gentias; .o juízo da nação de Israel; .o juízo dos ímpios mortos; .e o juiz de Satanás e dos decaídos.

O JUÍZO DOS CRENTES

Encontramos três aspectos no juízo dos crentes. O seu primeiro juízo teve lugar na cruz: “Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso. E eu , quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo” (Jô 12:31,32).
A cruz é na verdade o juízo de todo pecado e de todos os pecadores, inclusive Satanás. Na cruz, o crente confessa sua culpa, seu pecado, e identifica-se com Jesus, seu Substituto e Salvador: “Se confessarmos os nossos pecado se nos purificar de toda injustiça” (I Jô 1:9). Tendo sido julgados na cruz, os fiéis não serão submetidos a julgamento quanto á sua salvação, mas apenas com respeito ás recompensas de seu serviço (Jô 3:18; 5:24) (Rm 8:1,33) (I Ts 5:9).
O segundo aspecto do juízo dos crentes é seu autojulgamento contínuo. Paulo escreveu: “Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” (I Co 11:31-32). Esta é uma parte da obra santificadora do Espírito Santo na vida do cristão (Rm 15:16) (I Ts 5:14-23) (II Ts 2:13) (Jô 1:7-2:2).
O juízo do crente diante do trono do juízo de Cristo não é um julgamento de condenação, mas de determinação de suas recompensas. Este juízo terá lugar na vinda de Cristo (I Co 4:5). Duas passagens dã detalhes relativos ao juízo do crente:
“Manifesta se tornará a obra de cada um; pois o dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará. Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; se a obra de alguém, se queimar, sofrerá ela dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo” (I Co 3:13-15).
“Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou mal que tiver feito por meio do corpo” (II Co 5:10).
Cada crente está construindo sobre o fundamento de Cristo Jesus, durante sua vida e serviço. Ele deve responder diante do tribunal de Cristo (o juízo Bema), a fim de que suas obras sejam provadas como base para a recompensa. Seu serviço pode ser revelado como sendo ouro, prata, pedras preciosas; ou como madeira, feno, palha. Estes últimos não suportarão a prova no cadinho da glória de Cristo.
Se aquilo que tiver edificado sobre o fundamento de Cristo Jesus for inútil (“se queimar”), ele será salvo, porque a salvação é pela fé e não por obras; mas as suas obras não lhe concederão recompensas ou coroas: “ Acautelai-vos, para não perderes aquilo que temos realizado com esforço, mas para receberdes completo galardão” 9II Jô 8). (I Jo 2:28) (Ap 3:11). Se o que ele edificar sobre Cristo for “bom”, receberá uma recompensa e o “muito bem, servo bom e fiel” 9Mt 25:21).
Parece claro que o juízo Bema do cristão ocorre por ocasião do arrebatamento, pois a ceia das bodas do Cordeiro tem lugar antes da volta de Cristo com os santos (Ap 19:7-9), e a voz do trono declara: “… e já a sua esposa se aprontou” (IBB). O fato dela estar pronta indica que passou para além do juízo.

As recompensas especiais do cristão são chamadas coroas. Elas são quatro:
1. A COROA DO GOZO
“Pois, quem é a nossa esperança, ou alegria, ou coroa em que exultamos na presença de nosso Senhor Jesus em sua vinda? Não sois vós? Sim, vós sois realmente a nossa glória é a nossa alegria!” (I Ts 1:19, 20). Paulo considerava seus convertidos como sua coroa de vencedor do ganhador de almas.

2. A COROA DA VIDA
Paulo esperava receber esta coroa como recompensa pelo seu bom combate, sua fé guardada e sua carreira completada (II Tm 4:7,8). Esta é a coroa do vencedor segundo a metáfora do atleta”. (Veja também i Co 9:25-27: “…Mas esmurro o meu corpo…para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.”)

3. A COROA DA VIDA
“Bem aventurado o homem que suporta com perseverança a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida…” (Tg 1:12). Esta é a coroa do mártir, prometida aos que forem fiéis até a morte (Ap 2:10); mas os que vivem preparados para morrer por causa do seu testemunho também a recebem.

4. A COROA DA GLÓRIA
Esta é a coroa os pastores e presbíteros: “Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coral da glória” (I Pe 5:4). O termo grego para “coroa” é stephanos, que é uma coroa entregue nos jogos, feita de folhas de oliveira e louros, e que logo se estragava. A coroa de glória dada pelo Senhor aos seus pastores – assistentes durará para sempre.

O JUÍZO DAS NAÇÕES GENTIAS

No capítulo 25 de Mateus, Jesus declara que reunirá todas as nações na sua presença, para serem julgadas por ocasião de sua vinda (Mt 25:31 – 46). No final da tribulação e antes de iniciar seu reinado milenar, Jesus separará as nações como um pastor separa as ovelhas dos cabritos. Pelo que se segue no mesmo contexto, a base para o julgamento será a maneira como seus “irmãos” foram tratados, o remanescente fiel de Israel que dará testemunho de Cristo durante a tribulação não se curvará diante da besta (Ap 7:11; 1-12). Elas se tornarão as nações que habitarão a terra durante a era do Reino, segundo predição dos profetas do Antigo Testamento (Is 11:10).

O JUÍZO DA NAÇÃO DE ISRAEL

Os profetas do Antigo Testamento predizem uma época de provação e juízo para o remanescente de Israel, em preparação para o reino (Ez 20:33-38) (Dn 12:1,2). Em Mateus 24, Jesus fala da grande tribulação como um tempo de provação e juízo para Israel. Já que a tribulação, a 70 semanas de Daniel, será penosa para Israel, ela constituirá um juízo final sobre a naca a fim de satisfazer à justiça e de purificar um remanescente para o reinado do Messias sobre o trono do Davi. (Dn 9:254-27, Ap 12)

O JUÍZO DOS ÍMPIOS MORTOS

Isto é conhecido como o “grande trono branco d juízo”. Ele não terá lugar até que passe o reinado milenar d Cristo. “Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então se abriram livros. Ainda outro livro, o livro da vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deus o mar s mortos que nele e4stavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Não a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago do fogo. Esta é a segunda morte, o lago do fogo”. (Ap 20:11-14)
A passagem descrê o juízo final de todos os ímpios mortos. I juiz será Cristo Jesus, a quem Deus destinou todo julgamento (At 17:31). Os julgados são os ímpios mortos que não tiveram parte na primeira ressurreição, a qual teve lugar por ocasião do arrebatamento dos santos (I Ts 4:16; I Co 15:562). O juízo tem as obras como base. Haverá uma diferença na severidade do juízo (Lc 12:46-48). Todavia, o menos grau de perdição é um destino terrível. Esses terão desprezado todo o oferecimento da misericórdia de Deus em Cristo Jesus. Portanto, os seus nomes não serão encontrados escritos no livro da vida.

O JUÍZO DE SATANÁS E DOS ANJOS DECAÍDOS

No fim do reinado de mil anos de Cristo, Satanás será solto d sua prisão por algum tempo. Ele sairá para enganar as nações, cuja rebelião (a últimas) terminará com a terrível destruição dos rebeldes, e Satanás sendo lançado no lago do fogo para sempre (Ap 20:10). Várias passagens bíblicas referem-se a um juízo final dos anjos decaídos (Is 24:21,22; Pe 2:4). Supõe-se geralmente que os anjos decaídos serão julgados ao mesmo tempo em que Satanás. De acordo com Paulo, os santos participarão do juízo dos anjos (I Co 6:3).

OS DESTINOS FINAIS

“E irão estes para o castigo eterno, porém os justos para a vida eterna”. (Mt 25:46).
“Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão…” (Jô 10:28).
“Em chama de fogo, tornando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Estes sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder” (II Ts 1:8-9).
Tais versículos esclarecem que os justos gozarão de vida e bem-aventurança eternas na presença do Senhor, os ímpios sofrerão castigo e separação do Senhor. A futura morada dos ímpios será o inferno (gehenna) (Mc 9:43,44; Ap 20:14).

O DESTINO FUTURO DOS ÍMPIOS

A AV refere-se à morada final do ímpio como “inferno”.A palavra “inferno” traduz vários termos hebraicos e gregos que aludem aos diferentes estágios da existência após a morte. Ela indica algumas vezes o lugar dos espíritos que partiram ou o estado intermediário, que é chamado Sheol em hebraico e Hades em grego.
No Novo Testamento, “inferno” traduz mais vezes gehenna, que simboliza a perdição final e eterna. Gehenna era o depósito do lixo no vale de Hinom onde fogueiras queimavam incessantemente. Os ímpios serão mantidos no Hades até o juízo final, depois do que serão lançados no lago de fogo. “Inferno” traduz uma vez tártaros, onde os anjos perversos são lançados (II Pe 2:4).
Depois do milênio , todos os ímpios mortos serão ressuscitados e , depois do juízo do grande trono branco , serão lançados no lago de fogo ( Ap 19; 20, 20;10 14 15 ;21;7,8). As condições dos finais dos perversos são 11; a) Separação de Deus(Lc 13; 25,28 ) ( II Ts; 1;9) b )Trevas exteriores ( Mt 22; 13 ) ( II Pe 2;4,17) . c) Fogo eterno ou inextinguível ( Mt 18;8 ) (Mc 9; ,43 ,45,48) ( II Pe 3;7 ). d) Desprezo eterno ( Dn 12;2 ) . e) Tormento eterno ( Ap 14;,10,11). F ).Castigo eterno ( Mt 25; 46 ) . g) Destruição ou perdição (ruína eterna) ( II Ts 1;,8.9) ( Fp 3;18,19 ) ( Mt 7;13 ) ( Rm 9;22 ) ( IIPe 3;7) h) onde não morre o verme ( Mc 9;44 ) i) Ira de Deus (Rm 2;5,8,9 ) ( I Ts 1;10 ) j ) Retribuição ( castigo proporcional á maldade ) ( II Co 11;14,15 ) (II T m 4;14 ) ( Ap 18; 6,22: 12 ) k ) Segunda morte ( Ap 20:14 ;21:8 ).
Por mais assustadora que seja a possibilidade da perdição eterna podemos estar certos que o juízo de Deus será aplicado. Isto fica manifesto pelo gesto de Deus, enviando seu filho para morrer por mós . A graça e o amor de Deus não tem medida; se houvesse um meio de os homens serem salvos sem o sofrimento da cruz . Deus não teria sujeitado seu filho a ele . A cruz não demonstra apenas o amor e a misericórdia de Deus , mas também a pecaminosidade do pecado . Os perversos são destinados ao inferno só depois de um julgamento , em que livros são abertos e sentenças justas são pronunciadas . A severidade da perdição mão será a mesma para todos. O castigo dos ímpios terá vários graus de severidade , assim como as recompensas dos justos serão diferentes em glória ( Lc 12: 47,48 ) ( I Co 3:12,15 ). A consciência de cada um dará testemunho da justiça dos juízos finais de Deus.

O DESTIMO FINAL DE SATANÁS, DOS ANJOS DECAÍDOS E DO ANTICRISTO

Já que o destino final de Satanás, dos anjos decaídos e do anticristo já foi tratado na seção sobre o julgamento deles e sobre o destino final dos perversos, não será necessário demora-nos mais no assunto, além de citar as passagens da Escritura onde ele é revelado: Mt 25:41; Jd 6; 2 Pe 2:4; Ap 19:20; 20:1-3,10; Is 14:14,15; 24:21.

O ESTADO FUTURO DOS JUSTOS

O estado eterno do crente é vida através e com o Senhor Jesus Cristo: “E o testemunho é este, que Deus nos deu a vida eterna; e está no seu filho. Aquele que tem o filho tem a vida; aquele que não tem o filho de Deus não tem a vida” (I Jô 5:11,12). A vida eterna não é simplesmente a existência eterna; todos os homens, justos e injustos, existirão eternamente. A vida eterna não se refere apenas á duração da vida, mas a sua qualidade. O cristão tem a vida de Cristo (Gl 2:20), porque possui Cristo em seu íntimo (Cl 1:27). A vida em Cristo é um bem presente do cristão, assim como a sua esperança futura. Ela é chamada de estado futuro do crente apenas no sentido de que na volta de Cristo a vida eterna não mais será tirada (I Jô 3:2) (Ap 2:10).
No paraíso, reinado com Cristo em seu reino milenar, ou habitando a Nova Jerusalém, o crente permanecerá na presença de Jesus na casa do Pai. A vida na casa do Pai é assegurada pela promessa de Cristo de preparar um lugar para nós ali (Jô 14:2,3); a preparação que nos concedeu um lugar foi a obra de expiatória de Cristo na Cruz do Calvário. A morada eterna do crente é então uma casa no céu; mas, que tipo de lugar Jesus preparou?
1. O céu é o lugar onde Jesus, nosso Salvador, está (Jô 14:2,3) (At 7:56) (Lc 1:2) (II Co 5:2) (Fp 1:23)
2. O céu é um lugar amplo “Na casa de meu Pai há muitas moradas…” (Jô 14:2,3).
3. O céu é um lugar melhor (Hb 10:34; 11:16)
4. O céu é um lugar ideal – Somos ensinados a orar: “…faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6:10).
5. O céu é um lugar herdado – O crente receberá uma herança, por ser co-herdeiro com Cristo (I Pe 1:4) (Rm 8:17).
6. O céu é um lugar de recompensa (Mt 5:12; 6:20; 19:21) (Lc 12:33) (Cl 1:5) (II Tm 4:8).
7. O céu é um lugar de louvor (Ap 19:1).
8. O céu é um lugar de beleza, esplendor e glória (Ap 21,22).
9. O céu é um lugar alegre (Ap 21:4) (Mt 25:21,23) (Lc 15:7,10) (Hb 12:2).
10. O céu é um lugar de identidade pessoal.
Depois da morte, o homem rico e Lázaro retiveram sua identidade pessoal. Moisés e Elias continuaram a ser identificados quando apareceram a Jesus no monte da Transfiguração (Mt 17:2,3). Depois da ressurreição, Jesus foi reconhecido por seus seguidores. Nossos nomes estão escritos no livro da vida e nomes significam identidade e personalidade (Fp 4:3). O fato de os crentes receberem seus corpos ressurretos no céu demonstra que a obra redentora de Deus estende-se á pessoa total. Não perderemos nossa identidade pessoal no céu. Pelo contrário, nossa personalidade será elevada ao mais alto nível do ser pessoal. Os melhores relacionamentos na terra, no corpo de Cristo, perdurarão na vida celestial.
Eu, Jesus, enviarei o meu anjo para vos testificar estas coisas às igrejas.
Eu sou a raiz e a geração de Davi, a brilhante estrela da manhã. O Espírito e a noiva dizem: Vem. Aquele que ouve diga: Vem. Aquele que tem sede, venha, e quem quiser receba de graça a água da vida. Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente venho sem demora.
Amém. Vem, Senhor Jesus. (Apocalipse 22:16,17,20)
Após a Grande Tribulação, Cristo pousara seus pés sobre o Monte das Oliveiras, o qual se fenderá em dois. (Zc 14:4).

O juízo das nações: (Mt 25:31-32).
a) Cristo se assentará no TRONO DA SUA GLÓRIA. Todas as NAÇÕES serão reunidas diante dele. Julgará as NAÇÕES de acordo com o trato que deram a ISRAEL (Jl 3:2).
O governo da terra:
a) Ficará a cargo de Cristo, (Ap 11:15).
b) A Rainha (a igreja) estará ao lado do Rei (Cristo); A Esposa ao lado do Esposo. Davi será coroado rei e, Israel (Ez 37:24). A Igreja terá autoridade ao lado de Cristo (Ap 5:10).
c) Jerusalém será a capital do REINO (Is 2:2-3). Jerusalém se chamará Beula-Hefzida (Is. 62:4). A Palestina é o centro geográfico do mundo. O reino de Cristo será UNIVERSAL, (Zc. 14:9). A glória do Senhor encherá a terra (Sl. 72). O templo será reconstruído (Is. 44:26-28).
d) Vida longa. No milênio viver-se-á centenas de anos (Is 65:19-20). Haverá proteção para as crianças e amparo para velhice (Zc. 8:4-5). Uma criança viverá no mínimo 100 (cem) anos, (Is 65:20).
e) Haverá pleno conhecimento do Senhor, (Is. 11:9). De Sião sairá a Lei, (Is. 15:2-3), (Jr. 31:33; Ez. 11:19-20).
f) Haverá pleno conhecimento do Senhor, (Jr. 31:34; Is. 54:13). O evangelho será conhecido em todo o mundo, (Mt. 24:14).
g) Não haverá hospitais no milênio, (Ez. 47:8-12). Ninguém dirá: estou doente, (Is. 33:24). O Senhor curará toda chaga do seu povo, (IS. 30:26 “B”). Não haverá cegos, nem surdos, nem coxos, e nem mudos, (Is. 35:5-6).
h) O sol se envergonhará de Cristo. O sol brilhará sete vezes mais e a lua será como o sol, (Is 30:26), mesmo assim o sol se envergonhará de Cristo porque o Senhor brilhará muito mais, (Is 24:23). Cristo é o sol da justiça, (Ml. 4:2; Is. 60:10,20).
i) Harmonia entre os animais, (Is. 11:6-9). Toda a ferocidade dos animais será removida, (I. 35;9). Não haverá animais carnívoros, (Is. 65:25). A serpente não fará dano a ninguém, (Is. 65:25 “b”).
J) Haverá excelente produção. A maldição da terra será tirada (gn. 3:17 “b”-18). O deserto se tornará em campo fértil, (Is. 29:17; Is. 31:15). O mar morto dará abundância de peixes, (Ez. 47:1-12). Nunca mais haverá fome, (Ez. 36:29-30; Am. 9:13-14; Zc. 8:12). A terra será como o jardim do ÉDEN, (Ez. 36:34-36; Is. 51:3; Ez. 34:13-14,26,27,29). As riquezas serão abundantes, (Is. 60:16-17).
k) Cristo será o alvo de todas as atenções, (Zc. 8:20-22). Todos quererão vê-lo, (Is. 2:2-4; Is. 17:7). Não haverá idolatria, (Is. 17:8; Is. 2:18; Zc. 13:2). A saudação será “O SENHOR TE ABENÇOE”, (Jr. 31:23).
l) Os Judeus serão muito populares. Serão os mensageiros do Rei (Is. 14:1-2; Is. 61:6; Zc. 8:23). Serão uma benção para todos, (Zc. 8:13; Jr. 33:6-9).
m) A população será grandiosa, (Jr. 33:22). No início do milênio será escassa, (Is. 13:11-12). Os do sexo masculino serão muito reduzidos, (Is. 4;1). No início haverá apenas um terço da população, (Zc. 13:8). Mas crescerá com grande rapidez. Mais pequeno virá a ser mil, e o mínimo um povo grandioso, (Is. 60:22). Terão longos dias, como as árvores, (Is. 65:22).
A Igreja MILÊNIO:
a) Terá um corpo glorioso. Cada crente será semelhante a Cristo, resplandecente, (Mt. 13:43; JO. 3:2; Dn. 12:3). A Igreja reinará com Cristo, (Ap. 20:4).
b) Se pecar no milênio, (Zc. 14:16-19; Is. 65:20). Todas as nações terão que celebrar as festas das cabanas, enviando seus representantes de ano em ano a Palestina. O País que não o fazer sofrerá os danos, (Is. 30:1). O pecador de 100 (cem) anos será amaldiçoado, (Is. 65:20). No final do milênio Satanás será solto e enganará muitos para lutar contra Cristo, (Ap. 20:7-10). Deus o destruíra, (Ap. 20:9-10). Satanás estará destruído para sempre. Assim se encerrará o MILÊNIO e haverá agora o JUÍZO FINAL. Satanás estará preso no abismo durante os mil anos, (Ap. 20:1-3).
c) A CIDADE DE JERUSALÉM CELESTIAL DESCERÁ E PAIRÁ SOBRE A JERUSALÉM TERRESTRE NAS ALTURAS, (Is. 2:2; Mq. 4:1)

A ÚLTIMA REVOLTA DE SATANÁS
a) No final da execução do plano de Deus para este mundo ocorrerão três grandes conflitos ou guerras. O primeiro é o de Ezequiel Capítulo 38 e 39. Um bloco de nações, chefiados pela Rússia, invade Israel no início da grande tribulação ou pouco antes. Deus intervirá de maneira sobrenatural a favor de ISRAEL e os atacantes serão totalmente destruídos.
b) Segundo conflito armado é o de JOEL: 3:9,12; Zc. 14:1-4; Ap. 16:13-16; Ap. 9:11-21. Agora, o Anticristo chefiando todas as nações do mundo avança para exterminar Israel e lutar contra Deus, no vale do Armageddom. O SENHOR JESUS descerá do Céu e destruíra todos os exércitos atacantes. O ANTICRISTO e seu FALSO PROFETA serão lançados vivos no lago de fogo e enxofre, e Satanás ficará preso por mil anos. Isso correrá no final da GRANDE TRIBULAÇÃO.
c) terceiro conflito é o de Apocalipse 20:7-10. Satanás engana e subverte as nações contra Deus. O TODO-PODEROSO derramará fogo do céu e consumirá todos. Satanás será então lançado no seu lugar definitivo: O LAGO DE FOGO E ENXOFRE. Isso ocorrerá no final do milênio. Desta maneira, os que nascerem durante o milênio terão uma oportunidade de escolha : Obedecer a Deus ou ao Diabo. No princípio da história humana, Adão tece esta oportunidade. Agora, no final da história humana, o homem terá outra vez. É a última rebelião que Satanás instigará contra Deus: “QUANDO, PORÉM, SE COMPLETAREM OS MIL ANOS, SATANÁS SERÁ SLTO DA SUA PRISÃO, E SAÍRA A REDUZIR AS NAÇÕES QUE HÁ NOS QUATRO CANTOS DA TERRA, GOGUE E MAGOGUE, A FIM DE REUNI-LAS PARA PELEJA. O NÚMERO DELES É COMO A AREIA DO MAR”, (Ap.20:7-8)

QUEM SÃO GOGUE E MAGOGUE AQUI, (Ap. 20:8)?

GOGUE E MAGOGUE aqui, são as nações rebeladas contra Deus, instigadas por Satanás, e conduzido um furioso ataque contra os santos. Não se trata absolutamente de GOGUE E MAGOGUE DE EZEQUIEL. Vejamos as razões disso num quadro comparativo:

1)- GOGUE, em Ezequiel 38,39; 38:2-6 -1)- GOGUE, EM Ap. 20:8-
Gogue é um bloco de nações gogue são todas as nações
2)- 38:6,15 – Gogue vem do Norte -2)- Ap. 20:8- Gogue envolve
toda a terra
3)- 38:16- Gogue age por ato divino -3)- Ap. 20:7-8-Gogue é movido
pelo Diabo
4)-38:21-22- Gogue é destruído p/ espada -4)- Ap. 20:9- Gogue é destruído
Pelo fogo do céu
5)-39:11-13- Gogue é sepultado em Israel -5)- Ap. 20:9-Gogue é totalmente
consumido por fogo.
6)-38 e 39- Gogue vem antes do milênio -6)- Ap. 20- Gogue vem após o
milênio

ASSUNTOS RELACIONADOS AO MILÊNIO

1- O grande enterro dos mortos (Ez 39:1-15):
a) Na volta de Cristo, ele matará todos os rebeldes (Ap 19:21).
b) Morrerão duas terças partes do povo da terra (Zc 13:8).
c) Levará um ano e dois meses para a total purificação da Terra (Ez 39:12,14,15).

2- Grande queima de armamentos:
a) Haverá uma grande queima de materiais bélicos, que durará sete anos (Ez 39:9,10).
b) Algumas armas serão transformadas em ferramentas úteis (Is. 2:4; Mq. 4:3,4).
Jerusalém será a capital do Reino (Is 2:2,3):
c) Jerusalém se chamará Beulá-Hefzibá (Is. 62:4).
d) A Palestina é o centro geográfico do mundo.

3- O Reino de Cristo será universal (Zc 14:9):
a) A glória do Senhor encherá a terra (Sl 72).
b) O templo será reconstruído (Is 44:26-28).

4- Vida longa:
a) No Milênio, viver-se-á centenas de anos (Is. 65:19,20).
b) Haverá proteção para as crianças e amparo para a velhice (Zc 8:4-5).
c) Uma criança viverá, no mínimo, 100 anos (Is. 65:20). Paz Universal (Is. 54:13):
d) O Rei é o príncipe da paz (Is 9:6).
e) Não haverá guerras (Mq. 4:3; Is. 2:4).

5- Haverá pleno conhecimento do Senhor (Is. 11:9):
a) De Sião sairá a lei (Is. 2:3).
b) Deus mesmo ensinará (Is. 2:3; Jr 31:33; Ez 11:19,20).
c) Todos conhecerão ao Senhor (Jr 31:34; Is 54:13)
d) O Evangelho será conhecido em todo o mundo (Mt 24:14).

6- Haverá abundância da salvação (Is 33;6):
a) Textos sobre a salvação no Milênio: Is 33:22; 62:1.
b) Deus mesmo salvará os seus: Zc 8:13; 9:16.

7- Haverá plenitude do poder do Espírito Santo (Jl 2:28):
a) No Pentecostes, esta promessa cumpriu-se em parte (At 2).
b) No milênio, todos (toda a carne) receberão o poder do Espírito Santo.

8- Ninguém dirá: Estou doente…(Is 33:24).
a) O Senhor curará toda a chaga do seu povo (Is 30:26 b).
b) Não haverá cegos,nem surdos, nem coxos, e nem mudos (Is. 35:5,6).

9- O Sol se envergonhará de Cristo:
a) O Sol brilhará sete vezes mais, e a Lua será como o Sol (Is. 35:5,6).
b) Mesmo assim, o Sol se envergonhará de Cristo, porque o Senhor brilhará muito mais (Is 24:23).
c) Cristo é o Sol da Justiça (Ml 4:2; Is. 60:19,20).

10- Harmonia entre os animais (Is 11:6-9):
a) Toda a ferocidade dos animais será removida (Is 35:9).
b) Não haverá animais carnívoros (Is 65:25).
c) A serpente não fará mais dano a ninguém (Is 65:25).

11- Haverá excelente produção:
a) A maldição da terra será tirada (Gn 3;17-18).
b) O deserto se tornará em campo fértil (Is29:17; 31:15).
c) O Mar Morto dará abundância de peixes (Ez 47:1-12).
d) Nunca mais haverá fome (Ez 36:29,30) (Am 9:13,14) (Zc 8;12).
e) A terra será como o jardim do Édem (Ez 36:34-36) (Is 51:3) (Ez 34:13-14;26-29)
f) As riquezas serão abundantes (Is 60:16,17).

12- Cristo será o alvo de todas as atenções (Zc 8:20-22):
a) Todos quererão vê-lo (Is 17:8; 2:18) (Zc 13:2).
b) Não haverá idolatria (Is 17:8; 2:18) (Zc 13;2).
c) A saudação será: “O Senhor te abençoe” (Jr 31:23).

13- Os judeus serão muito populares:
a) Serão os mensageiros do Rei (Is 14:1,2; 61:6) (Zc 8:23).
b) Serão uma benção para todos (Zc 8:13) (Jr 33:6-9).

14- A população será grandiosa (Jr 33:22):
a) No início do milênio será escassa (Is. 13:11,12).
b) Os do sexo masculino serão mui reduzidos (Is 4:1).
c) No início, haverá apenas um terço da população (Zc 13:8).
d) Mas crescerá com grande rapidez. O menor virá a ser mil, e o mínimo, um povo grandíssimo (Is 60:22).
e) Terão longos dias como as árvores (Is 65:22).

15- A Igreja no Milênio:
a) Terá um corpo glorioso. Cada crente será semelhante a Cristo, resplandecente (Mt 13:43) (I Jo 3:2) (Dn 12:3).
b) A Igreja reinará com Cristo (Ap 20:4).

16- Se pecará no Milênio (Zc 14:16-19) (Is 65:20):
a) Todas as nações terão que celebrar a Festa das Cabanas
b) enviando seus representantes, de ano em ano, á Palestina.
c) O país que não o fizer sofrerá os danos (Is 30:1).
d) O pecador de 100 anos será amaldiçoado (Is. 65:20)
e) No final do Milênio, Satanás será solto e enganará a muitos para lutar contra Cristo (Ap 20:7-10).
f) Deus os destruíra (Ap 20:9,10). Satanás será destruído para sempre. Assim se encerrará o Milênio e haverá, agora, o juízo final.

A APARIÇÃO, AÇÃO E DERROTA FINAL DE SATANÁS (Rm 16:20)

Existem pessoas que têm em si uma pergunta, e buscam uma resposta. Essa pergunta é: “Como surgiram Satanás e os demônios?” A Bíblia nos ensina claramente sobre a origem e também sobre sua derrota final que está mui iminente.

COMO SURGIU SATANÁS?

Deus não fez Satanás. Satanás foi quem se fez.
a) No princípio, Deus criou os céus e a terra (Gn 1;1):
– Deus não fez a terra vazia (Is. 45:18).
– Deus criou a terra para ser habitada (Is 45:18)
b) A maioria dos teólogos concordo que Lúcifer (anjo da luz) habitava a terra (Ez 28:14):
– Ele era um querubim ungido (Ez 28:14);
– Era perfeito desde o dia da sua criação, até… (Ez 28:15)
c) Elevou-se, por causa de sua formosura (Ez 28:17).
– Era governador da terra original (Gn 1:1; Ez 28:12-14).
– Estava no Éden (Jardim de Deus) e era coberto de pedras preciosas (Ez 28:13).
d) Sua queda (Is 14:12-15):
– orgulho: “Eu” subirei ao céu (v. 13);
– exaltação: “Eu” me assentei (v. 13);
– cobiça: “Eu” serei semelhante (v. 14).
e) O juízo de Deus (Gn 1:2):
– Deus não fez a terra vazia (Is 45:18; Jr 4:23).
– Por causa de sua exaltação, Lúcifer foi lançado por terra (Is 14:15; Ez 28:17).
– Deus transformou a terra em caos para que Satanás não mais habitasse a terra (Gn 1:2).
– Lúcifer (Satanás) ficou sem morada e passou a viver no ar (Ef 2:2; 6:12).
f) Satanás e suas hostes sem habitação (Ef 2:2; 6:12):
– vivem a rodear a terra (Jô 1:7; 2:2);
– achando-a vazia… (Mt 12:43-45)
– hierarquia demoníaca (Ef 6:12);
– o inferno está preparado para o Diabo e suas hostes (Mt 25:41) (Ap 19:20; 20:10,14,15).

O PECADO NA ESFERA DA EXPERIÊNCIA HUMANA:

a) Satanás viu Deus criar o homem (Gn 2:7):
– Viu Deus dar-lhe o jardim (Gn 2:8).
– O Éden de (Ez 28:13) é diferente do Éden de (Gn 2:8).
– Satanás não se conformou em ficar sem a sua antiga morada; procurou tirar de lá os seus novos moradores (o homem) através da astúcia (Gn 3:1-6).
b) Fez o homem desobedecer a Deus:
– Após cair, não quer que ninguém seja feliz.
– Satanás tornou-se inimigo de Deus.
– Sua obra é: “roubar, matar e destruir” (Jô 10:10).
c) A obra de Satanás é ir contra a vontade de Deus

O EFEITO DO PECADO:

a) Sobre a serpente: degradação (Gn 3:1).
b) Sobre Satanás: a promessa de que a semente da mulher esmagaria sua cabeça (Gn 3:15).
c) Sobre a mulher: dor e submissão ao homem (Gn 3:16).
d) Sobre Adão: trabalho árduo até a morte (Gn 3:17).
e) Sobre a terra: maldição (Gn 3:17-19).

A SEMENTE DA MULHER (Gn 3:17)

a) Esmagaria a cabeça de Satanás.
– Quando nasceram Caim e Abel, Satanás procurou destruir a semente da mulher. Caim matou seu irmão, mas Deus levantou Sete em lugar de Abel (Gn 4:8,25).
b) A obra de Satanás era não permitir que aquele que esmagaria sua cabeça (Jesus) viesse a existir. Por isso, lutou com todas as suas forças, para impedir que Cristo viesse ao mundo.
– Corrompeu a humanidade de tal forma, que Deus se propôs enviar o dilúvio e destruir o ser humano (Gn 6):
> Satanás pensou que iria conseguir destruir de vez o homem, e assim não viria “a semente da mulher”.
> Mas, em meio a tanto pecado, havia um homem com sua família que temia a Deus e o servia (Gn 6:8).
> Satanás não conseguiu o seu intento.
> A semente da mulher ainda continua a existir.
– Satanás tentou unir os povos em um só lugar, e assim, não cumprir a ordem de Deus, que era encher a terra…
> Mas, Deus espalha os homens por toda a terra…
– Deus escolhe um povo: através de Abraão e de sua descendência, nasceria aquele que esmagaria Satanás (Gn 12).
– Lá no Egito, Satanás escravizou esse povo (Ex 2;23-25).
> Deus providenciou Moisés para tirar de lá o seu povo (Ex 3).
> No Mar Vermelho, Satanás pensou que finalmente derrotaria o povo de Deus. Mas…
> Deus abriu o mar (Ex 14:15-26).
> O povo de Satanás perece no mar (Ex 14:27,31).
> Satanás, mais uma vez, fica derrotado pelo poder de Deus.
– Quando o povo de Israel entrou na Terra Prometida, muitas vezes deu ouvido a Satanás:
> Satanás os seduzia a servir a outros deuses.
> Casavam-se com mulheres estranhas.
> Não tinham um coração puro para com Deus.
c) Por ser desobediente, Deus permite que seu povo vá em cativeiro. Judá é levado para Babilônia (Dn 1:1-6).
– Satanás faz com que todos sejam idólatras (Dn 3).
– Mas, Deus tem servos fiéis, como (Jô 1:1; Dn 3:13).
> Sadraque, Mesaque e Abedenego não se prostram diante do deus de Nabucodonosor (Dn 3:12-18).
> São lançados na fornalha de fogo ardente (Dn 3:23).
> Deus os levra e Satanás, mais uma vez, fica envergonhado, pois, Nabucodonosor reconhece que não há outro Deus como o Deus de Sadraque, Mesaque e Abedenego (Dn 3:21-30).

PROFECIAS SOBRE A VINDA DA SEMENTE DA MULHER:

a) Eis que a virgem conceberá (Is 7:14-760 a.C.).
b) O povo que andava em trevas viu uma grande luz (Is 9:2-760 a.C.).
c) O seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz (Is 9:6-760 a.C.).
d) Traído por Judas (Sl 41:9 – 1.000 a.C.; Mc 14:10).
e) Vendido por trinta moedas (Zc 11:12,13-520 a.C. – Mt 26:15).
f) Desfigurado e maltratado (Is 52:14 – 745 a.C.; Mt 26:67).
g) Diante de Caifás (Is 53:7 – 745 a.C.;; Mt 26:62,63).
h) Moído (Is 53:5,10 – 745 a.C.; Mt 27:27-30).
i) Transpassado na morte (Zc 12:10- 520 a.C. ; Jô 19:37; Is 53:8,9-745 a.C.; Mt 27:57-60).
j) Suas vestes repartidas entre os malfeitores (S 22:18 – 1.000 a.C. ).
k) Sua crucificação entre os malfeitores (Is 53:12- 745 a.C. – Mt 27:38).

SATANÁS PERSEGUE A SEMENTE DA MULHER:

a) Após nascer: (Mt 1:18-23; 2:13-18).
b) No deserto: (Mt 4:1-11).
c) No seu ministério: (Lc 4:29,30).

A CRUCIFICAÇÃO:

a) Na cruz, Satanás pensou que vencera a semente da mulher (Mc 15:21-41).
b) Escarneceu de Cristo (Mt 27:39:40).
c) Cristo expirou (Mt 27:50).

A DERROTA DE SATANÁS:

Quando Cristo expirou, Satanás pensou que conseguiria vencer aquele que lhe esmagaria a cabeça, mas:
a) Cristo desceu ao inferno (Ef 4:8-10).
b) Cristo arrancou as chaves da morte e do inferno das mãos de Satanás (Ap 1:18).
c) Por sua morte, Cristo aniquilou aquele que tinha o império da morte (Hb 2:14).
d) Cristo nos deu poder para resistir a Satanás (Lc 9:1) (Tg 4:7) (I Pe 5:8,9).

A DERROTA FINAL DE SATANÁS:

a) No arrebatamento, ele estará esmagado sob nossos pés (Rm 16:20).
b) Reinará na terra através de seu filho, o Anticristo, durante o período da Grande Tribulação (Dn 9:27) (Ap 6:2; 13:4).
c) Cristo descerá para reinar no Milênio; e Satanás será amarrado por mil anos no poço do abismo (Ap 20:1-3).
d) Após os mil anos, será solto por um pouco de tempo e enganará as nações para lutarem contra Cristo na cidade amada, mas, Deus mandará fogo do céu, e Satanás será destruído (Ap 20:7-9).
e) Será lançado no lago de fogo, onde se encontram a Besta e o falso profeta, e será atormentado para todo o sempre (Ap 20:10). Este será o terrível fim daquele que tantos males causou á humanidade, desde que o homem foi criado.

O QUE FAZ SATANÁS NO PRESENTE:

– Vive a rodear a Terra (Jô 1:7; 2:2).
– Incita o homem a pecar (Mt 4:1,3,5,6,8,9).
– Arma laços ao homem (Sl 9).
– Coloca maus pensamentos no homem(Jô 13:2).
– Cega os entendimentos dos incrédulos (II Cor 4:4).
– Se apossa dos homens (Jô 13:27).
– Arrebata a boa semente (Mc 4:15).
– Se transforma em anjos de luz para enganar (II Cor 11:14,15).
– Molesta os sevos de Deus (II Cor 12:7).
– Põe obstáculo aos servos de Deus (I Ts 2:18).
– Domina o mundo (I Jo 5:19).
a) Métodos que Satanás usa:
– Procura intimidar (I Pd 5:8).
– Seduz (II Cor 11:3).
– Destrói (Jô 10:10; Mt 10:28).
b) O poder de Satanás é controlado por Deus:
– Satanás não é onipotente, onisciente e nem onipresente. Estes atributos pertencem á Trindade Divina.
– Satanás não pode tentar um crente sem permissão de Deus (Mt 4:1)
– Não pode causar enfermidades se não for permitido por Deus (Jô 1:10-12).
– Foge, quando se lhe opõe resistência (Tg 4:7).
c) Sete maneiras pelas quais Satanás se apresenta:
– como caçador armado laços (Sl 91:3);
– como conquistador escravizando (Lc 13:11,16);
– como semeador de joio (Mt 13:25);
– como anjo de luz (II Cor 11:14,15);
– enganando (Mt 24:24);
– destruindo (Jô 10:10);
– rugindo como leão (I Pe 5:8).
d) Sete maneiras de atuar de Satanás:
– Pelas drogas, sexo, imoralidade etc. (II Cor 4:4).
– Pela mentira, enganos, etc. (Gn 3:4; II Tm 3:13).
– Pela indecisão (Rm 14:23).
– Incitando os homens a servi-lo,e não a Deus (Mt 6:24) (II Cor 6:14,15; 7:1) (Ef 6:11) (II Ts 2:11).
– Envolvendo a alma em trevas (Is 50:10).
– Mudando a fé viva por obras mortas (Hd 6:1; Hd 9;14).
– Adiando o tempo para realizar o bem (At 24:25; 26:28).
e) Sete armas contra Satanás:
– O nome de Jesus (M 16:17; At 6).
– Oração (Ef 6:18; I Ts 5:17).
– Oração e jejum (Mc 9:28,29).
– Oração da fé (Tg 5; 15; I Pd 5:9).
– Louvor (Nm 8:10; Js 6:16,20; At 16:25,26).
– Espada do Espírito (Ef 6:17; II Tm 2:15).
– Os dons do Espírito (Mc 16:17,18; Ef 6:10).

OS SETE JUÍZOS DA BÍBLIA

.O JULGAMENTO DO PECADO (Gn 2.17; Ez 18.4)

Na cruz, Cristo julgou os nossos pecados.
a) Como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jô 1:29; I Jô 2:2).
b) Foi uma obra perfeita, consumada e completa (Hb 10.10).
c) Na cruz Cristo sofreu a penalidade que o pecador merecia (Gl 3.13; Rm 8.1; 5.1; Is 53.3-5).

.O JUÍZO DE NÓS MESMOS (I Cor 11.31-32)

Consiste em reconhecer os nossos pecados, humilhando-nos e pedindo perdão para não sermos julgados no juízo final (I Jô 1.7-9).

.O TRIBUNAL DE CRISTO (II Cor 5.10) (Rm 14.10-12)

Esse julgamento será para os salvos:
a) Não é para condenação ou salvação;
b) É para receber o galardão (Ap 22.12; I C 5.10-15).
c) A Bíblia menciona quatro tipos de coroas reservadas para o povo de Deus:
– A Coroa da Vida (Tg 1.12; Ap 2.10).
– A Coroa de Glória (I Pe 5.2-4).
– A Coroa da Justiça (II Tm 4.8).
– A Coroa Incorruptível (I Co 9.25-27).

. O JULGAMENTO DE ISRAEL

O período da Grande Tribulação será o “Tempo de angústia para Jacó” (Jr 30.4-8). Deus enviará os seus juízos sobre Israel. Na Grande Tribulação, após sofrerem, os justos clamarão no nome do Senhor em profundo arrependimento (Is 64; Zc 12.10 a 13.1).
a) Os rebeldes entre eles serão destruídos e o remanescente fiel será salvo (Jr 23.5-8; Is 60.10-22).
b) Será nessa hora que a nação, em sua totalidade, reconhecerá a Jesus como o seu Messias, sendo para ele convertida (Is 66.8; Rm 11.26,27).

.O JULGAMENTO DAS NAÇÕES (Jl 3.2) (Mt 25.31-32)

Esse julgamento se dará no início do Milênio, quando Cristo vier com a Igreja para Reinar. É um julgamento para nações. A base do julgamento será a forma com que tratam a Israel.

.O JULGAMENTO DOS ANJOS (Jd 6) (I Co 6.36).
Este julgamento será para os anjos caídos (II Pe 2.4). O inferno foi preparado para o diabo e seus anjos. (Mt 25.41).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s